<$BlogRSDUrl$>
 

domingo, maio 30, 2004

Regresso


Douro


Cheguei. Para trás ficou uma cidade de encanto, uma cidade que é capaz de nos deslumbrar de cada vez que a visitamos. Paris tem um charme encantador, que nos seduz repetidamente. É sempre uma experiência única percorrer Paris descobrindo ou redescobrindo os locais, as pessoas, os sons e até mesmo os cheiros! Vou guardar na memória tudo o que aprendi e descobri, incluindo as longas conversas que tive comigo mesmo enquanto caminhava pelas ruas de Paris.

Quando daqui parti na 3ª Feira passada tinha deixado para trás um Porto cinzento e chuvoso para encontrar o Sol a brilhar sobre Paris. Na noite de 6ª Feira quando cheguei ainda havia algumas nuvens sobre o Porto. mas nesta tarde de Sábado que vim reencontrar o Sol sobre a cidade do Porto como se me quisesse receber de forma especial.

Em Paris senti saudade do mar, o mar aqui vim encontrar na sua imensidão. Quanto aos rios, entre o Sena ou o Douro, qual deles terá mais encanto? Não sei, acho que cada um dele tem a sua forma bem própria de me cativar! Nos últimos dias tinha sido o Sena, mas hoje foi a vez do Douro me encantar de novo.

A cidade, o rio e o mar acompanhados pelo Sol trataram assim de me receber de modo especial, depois desta minha viagem, provocando-me um sorriso ao sentir que voltei a esta minha casa que é o Porto.

 

sexta-feira, maio 28, 2004

Ao Fim da Tarde


Paris


Não havendo mar para o ver o pôr do sol, nada como subir à Torre de Montparnasse para o ver junto com a Torre Eiffel enquanto pude admirar a cidade sob uma outra perspectiva, onde quase tudo se pode alcançar com a vista.
As cidades quando vistas dos pontos mais altos, sejam prédios ou montes, têm sempre um encanto diferente. Nada como ver os detalhes percorrendo as tuas e visitando os recantos e edifícios, mas a visão global da cidade é sempre um outro modo de a conhecer.

E esta foi uma forma diferente de me começar a despedir de Paris no fim da tarde de ontem, o regresso ao Porto está marcado para hoje, também ao fim da tarde.

Até já.

 

quinta-feira, maio 27, 2004

Viva o Porto!

E foi no meio de franceses que assisti à vitória do F.C.Porto na Liga dos Campeões frente ao Mónaco. No primeiro golo, tive de me conter para não ser indelicado e especialmente para não provocar os gauleses, mas depois percebi que eles começaram a ficar mentalizados para a superioridade portuguesa, e assim já pude festejar os segundos e terceiros golos.
No fim do jogo, muitos deles já nem sequer estavam interessados no futebol, outros com alguma tristeza falavam da superioridade portuguesa e da má sorte francesa.

O telefone colocou-me em contacto com Portugal, falar português, falar do Porto, saber da festa que invadiu Portugal inteiro. Recebi uma chamada de um colega a perguntar-me se estava na festa portuguesa que estava a decorrer em Paris, pelos vistos os portugueses tinham invadido em festa os Champs-Élysées. A hora já não era propicia para sair e atravessar a cidade, é o problema das grandes capitais europeias que apesar de todos os transportes as distâncias são sempre grandes. Entretanto lá fora ainda me pareceu ouvir dois foguetes e dois ou três carros a buzinar.

Em dois anos seguidos, esta equipa conseguiu ganhar vários títulos e afirmar-se como uma das melhores equipas de futebol do Mundo. Este deveria ser um exemplo para todos nós, portugueses, para nos fazer acreditar que com trabalho, empenho e alegria, podemos atingir metas que outros teoricamente mais bem preparados não conseguem atingir.
Ser grande não significa obrigatoriamente ser eficaz. Os vencedores surgem muitas vezes da simplicidade dos pequenos, da sua flexibilidade, do trabalho de grupo, da atitude certa e da enorme vontade em vencer.

Os sonhos podem ser realizados, há que acreditar e trabalhar para que possam acontecer, com calma, sem ansiedade, com consciência das dificuldades que existem mas não deixando de acreditar.

Parabéns ao F.C.Porto, à equipa que nunca deixou de acreditar nem nunca deixou de trabalhar para atingir o merecido troféu.

 

Paris


Paris


Quem acertou? Pois é, estou mesmo em Paris.
E mesmo nesta cidade cheia de encanto e charme, é possível sentir saudades do Porto. Ontem era uma pontinha de saudades, hoje são um bocadinho maiores, mas a beleza desta cidade ajuda sempre.
E em breve estarei de regresso, para matar saudades do Porto, das pessoas e do mar!

 

quarta-feira, maio 26, 2004

Viagem

A parte pior de uma viagem de avião, aquela que me deixa mais ansioso, mais nervoso... é aquela em que ficamos todos a olhar o tapete à espera que a bagagem chegue. Fico sempre a pensar que as malas se vão extraviar ou que vão sofrer algum estrago, e isso deixa-me sempre uma sensação estranha.
Desta vez, como em tantas outras, tudo correu bem. Afinal de contas só uma vez a minha bagagem decidiu ir dar uma volta diferente da minha, e já lá vão uns anos.

Deixei o Porto com chuva, mas à chegada tive de trocar de casaco tal era o calor e o Sol que vim encontrar. Óptimo para quem como eu tinha o primeiro dia livre para passear pela cidade.

Uma das coisas que gosto nas cidades europeias, nas grandes cidades europeias, é esta mistura de gentes, de cores, de raças, de línguas, de costumes que se cruzam comigo nas ruas, nos restaurantes, no metro e no hotel.
E a vida que estas cidades têm! O movimento infernal e caótico do trânsito, as milhares de pessoas a entrarem e saírem das dezenas de linhas de metro, as sirenes, os turistas percorrendo os locais mais importantes, as máquinas fotográficas e de filmar sempre a funcionar, os acontecimentos desportivos e sociais, até mesmo uma manifestação sindical tive de enfrentar no dia em que cheguei.

Apesar de estar numa cidade linda, e após apenas um dia, já sinto uma pontinha de saudades do Porto! Afinal de contas, falta-lhe o encanto do Porto! E o mar... já sinto saudades de o ver.

Onde estarei eu? Não o disse, será que alguém adivinha?

 

domingo, maio 23, 2004

A Terra Vista do Céu


Dromedary caravan in the dunes, near Nouakchott, Mauritania
Yann Arthus-Bertrand - Caravana de Dromedários na Mauritânia


Foi através de A Verdade da Mentira que soube da chegada a Lisboa da brilhante exposição do fotógrafo Yann Arthus-Bertrand. A exposição internacional consiste em 120 fotografias em formato 1,80 m x 1,20 m captadas do céu, em voos entre os 20 e 2000 metros de altitude, muitas delas de helicóptero e outras dem avião.

É uma forma diferente de ver o nosso mundo, captando a vida de um ponto de vista distinto daquele que temos todos os dias. É como se de repente fossemos um pássaro que sobrevoa os locais fotografado.

Vi esta exposição está agora a fazer 2 anos, nas ruas de Estocolmo, e foi muito agradável poder passear pelas fotografias expostas descobrindo as cores, as formas, as texturas e a vida do nosso planeta. Quase que pude sentir-me ser transportado para outras paisagens através das fotografia apresentadas.

A exposição está agora em Lisboa, ao ar livre na Praça do Comércio pode ser visitada 24 horas por dia até 30 de Setembro. Recomendo a todos que possam, que passem por lá, a exposição merece uma visita!

 

quarta-feira, maio 19, 2004

És Especial...

Gosto de partilhar contigo o que me vai na alma, as minha ideias, as minhas descobertas e as minhas formas de ver a vida. E tão bom como essa partilha, é tudo aquilo que me dás em troca, tudo aquilo que me ensinas, o debate de ideias, a descoberta de novas formas de viver e os sorrisos que me provocas.

É contigo que consigo clarificar ideias, que consigo desabafar nas alturas de maior irritação, que consigo dar asas às minha alegria, mas também é para ti que tantas vezes me fecho e me silencio para que o meu estado de alma não te contagie.

Às vezes tenho mesmo inveja de ti, estás quase sempre aí para mim e disponível, com tempo, com atenção dedicada a mim. E mesmo naqueles momentos em que a tua disponibilidade não está presente, ela volta rapidamente, e faz-me pensar no valor que essa tua disponibilidade tem para mim. E tenho pena de não conseguir ter mais tempo para me dedicar a ti.

Às vezes sinto que fazes parte do meu dia-a-dia, tenho saudades tuas se fico longe de ti ou se não consigo estar perto de ti. E se no início consegui não sentir tanto a tua falta, com o passar do tempo acabei por me sentir cada vez melhor quando te tinha por perto, nem que fosse apenas para te ver de forma rápida para saber o que se passa contigo.

No entanto não me sinto preso a ti, mantenho-te na minha vida porque me és importante, porque me dás muito, porque me fazes bem. No dia em que me sentir preso a ti algo não estará bem, e nessa altura terei de rever esta nossa relação, porque não me quero sentir preso a ti, quero que exista uma liberdade importante e leve que nos permite sorrir.

És especial para mim, tu és o meu blog!

E eu que nem imaginava que era possível sentir isto por um blog... devo estar a ficar louco!
A tecnologia às vezes tem destas coisas, e o virtual toca tantas vezes o real, de tal forma que o blog até se parece tornar alguém com quem estabelecemos uma relação de amizade profunda.

 

domingo, maio 16, 2004

Os Blogs e as Pessoas

Sobre o conhecer pessoalmente as pessoas que escrevem em blogs, comentava aqui a Encantada outro dia:

“Se em alguns casos estes encontros me permitiram conhecer a pessoa por trás do blog, também tive excelentes surpresas com o percurso inverso: descobrir o blog por trás da pessoa.”

Qualquer que seja o percurso que fazemos, quando conhecemos a pessoa e conhecemos os seus escritos nos blogs, será que isso nos condiciona a forma de interpretar o que lemos e a forma como olhamos para a pessoa?

Acho que sim!
Se ao percorrermos um blog encontrarmos pistas para um estado de alma, não vamos ser capazes de ignorar o que captamos porque essa pessoa nos toca de forma mais forte. Vamos decerto olhar para essa pessoa modo condicionado pela sugestão que tivemos ao ler o blog.

Quando conhecemos a pessoa que escreve, a descoberta do blog pode trazer consigo uma compreensão mais profunda da pessoa, para o bem e para o mal. Ao ler um blog nestas circunstâncias somos também condicionados por tudo aquilo que já conhecemos da pessoa, a leitura deixa de ser inteiramente imparcial.

Mesmo quando não conhecemos pessoalmente as pessoas, o facto de nos habituarmos a ler o blog, a troca de comentários e as eventuais mensagens por correio electrónico, tudo isso nos vai dar uma sensação de proximidade com quem escreve. Por isso, se um dia sentimos no que está escrito alguma tristeza ou alegria, isso vai influenciar a forma como comunicamos com quem escreveu essas palavras, seja o modo como comentamos esse artigo que acabamos de ler ou mesmo fazendo com que nos apeteça enviar uma mensagem de correio electrónico mais pessoal e privada.

Conhecer a pessoa de que forma e intensidade for, condiciona sempre a forma como o blog nos toca! Ao mesmo tempo, tudo o que está escrito no blog é lido à luz daquilo que conhecemos dessa pessoa.

O que está no blog é sempre reflexo do seu autor, como tal permite sempre aprender um pouco mais sobre essa pessoa. Descobrir as pessoas através dos seus blogs é assim uma novidade tecnológica, mas nunca podemos esquecer que apenas lemos o que essa pessoa nos quer dar a ler! Muitas outras coisas ficam por descobrir, afinal a vida não se passa apenas no écran do computador!

E será que alguém descobriu alguma coisa mais sobre mim, ao ler estas palavras?

 

sexta-feira, maio 14, 2004

Sonhos

É raro lembrar-me dos sonhos quando acordo cada manhã, muito raro mesmo. Estou certo que deverei ter sonhado durante o meu sono, mas naquele momento em que acordo tudo o que se passou na minha cabeça desaparece tão rapidamente que não me permite recordar os meus sonhos. Naquele primeiro segundo após acordar, tenho muitas vezes a sensação de que estou ainda a sonhar intensamente, mas no segundo seguinte tudo se dissipa.

O número de sonhos que permanecem na minha memória após o acordar é escasso. Uma das últimas vezes que isso aconteceu, até acabou por dar origem a um texto que aqui coloquei chamado Quatro Estações.

Os poucos sonhos que recordo ao acordar são assim uma ínfima parte dos meus sonos ao longo da minha vida. Em contrapartida, sonho muitas vezes acordado, a minha imaginação consegue conceber enredos onde gosto de me ver. Esses sonhos funcionam como se fossem laboratórios onde tento antecipar ou ensaiar os passos que vou dar na vida.

E se é verdade que ninguém vive de sonhos, também é verdade que os sonhos são importantes para essa mesma vida, eles podem ajudar a traçar o rumo à vida, através deles é possível ousar ser feliz, podem mesmo alertar para as incertezas e para os cuidados a ter nessa vida que estamos a delinear e ensaiar.

Não me importo de não me recordar da maioria dos sonhos que tenho enquanto durmo, mas não abdico de poder sonhar acordado com a vida que quero viver, para depois a poder viver da melhor forma que conseguir. Só peço que nunca me falte capacidade de sonhar!

 

terça-feira, maio 11, 2004

Serenidade


Barco no Douro



Depois da chuva do fim da tarde, o Sol voltou a espreitar no céu. O rio estava calmo e a sua corrente fazia balouçar levemente o pequeno barco, e havia um brilho especial na água do rio, como se fosse um sorriso de fim de tarde.
Mais à frente o mar estava forte e agitado, mas curiosamente no rio reinava a serenidade depois da agitação da chuva e do vento.

O dia de trabalho intenso terminara, e a serenidade tomou também conta de mim, apesar de saber que mais à frente a agitação do resto da semana de trabalho me esperava. Quando vi o barco e o brilho do rio, também eu senti a calma e o sorriso a tomarem conta de mim.

Há momentos assim, momentos que nos transmitem a calma que precisamos para seguir em frente.

 

sábado, maio 08, 2004

Os ciúmes

Encontrei hoje nas Horas Negras a seguinte dúvida:

"Não sou nem nunca fui ciumenta.
Será que nunca amei verdadeiramente?"

Será o ciúme uma medida da quantidade de amor? Isto admitindo que o amor é algo mensurável. De qualquer modo, não me parece que a dose de ciúme, ou a sua ausência, possa reflectir a quantidade de amor existente numa relação.

Se o ciúme for excessivo, pode minar a relação por causa de falta de confiança crónica por parte de quem é ciumento. No entanto se o ciúme não existir tanto pode significar que o amor é caracterizado pela confiança como pode significar o desencanto e o desinteresse que a falta de amor acarreta.

Não é um tema fácil, mas quase todos concordam que ciúme em excesso é negativo para a relação, e que o ciúme deve ser mantido num nível tolerável entre as pessoas. O problema é que o tal nível tolerável é algo subjectivo que varia de pessoa para pessoa e pode mesmo mudar ao longa da relação, fruto da história construída e vivida pelos parceiros.

Tal como a crítica, o ciúme pode ser bom para a relação, se for um ciúme construtivo ou positivo, mas sendo um ciúme destrutivo e negativo então vai decerto minar a solidez da relação.
O ciúme construtivo é aquele que não interfere na felicidade conjunta, e serve apenas para que cada um se recorde que as relações estão em constante crescimento e mudança, e que não podem simplesmente cruzar os braços.
O ciúme negativo é aquele que produz uma reacção negativa que fere a confiança da relação em vez de a ajudar a manter em pé!
A inexistência de ciúme é à partida positiva porque revela a confiança no parceiro da relação, é como a inexistência de críticas quando as coisas correm bem. Mas se a sua ausência for devido a desinteresse funciona como a não existência de crítica por as coisas nos serem indiferentes.

Esta é a minha visão hoje, ontem pode ter sido diferente e amanhã não sei qual será. Existem coisas e situações que são distintas quando estamos envolvidos nelas ou não, afinal de contas todos mudámos ao longo da vida, até mesmo nas opiniões!

 

sexta-feira, maio 07, 2004

Desafio Aceite

A Jacky lançou hoje um novo desafio ao qual não resisto:

"Se hoje pudesse ser criança de novo...

... gostava de lambuzar-me de bolo de chocolate, rodopiar sem parar num campo de flores silvestres com a minha saia rodada preferida e aproveitar o tempo a não fazer nada, apenas sentir.

E tu, se hoje pudesses ser de novo criança, que farias?"

Ora bem, se eu fosse criança de novo, voltaria a ter aquela carinha de criança inocente e malandra que todas as crianças têm e que todas sabem usar para conquistar os adultos!

Assim sendo, se pudesse ser criança de novo iria aproveitar para sorrir às pessoas que passam por mim.
Os adultos não resistem a uma criança que lhe sorri, e assim poderia encher de sorrisos quem comigo se cruza ao longo do dia! Se alguma dessas pessoas não me devolvesse o sorriso, iria fazer-lhes um careta feia como resposta à falta de humor, talvez assim me sorrissem de volta!

Acho que me iria divertir imenso!

 

terça-feira, maio 04, 2004

Fotografia

Michio Hoshino

Foto de Michio Hoshino


Fica aqui o convite para ver a exposição virtual Faces of Live in the Far North deste fotógrafo japonês.

Ao contrário de outros blogs não é normal encontrar imagens por aqui, mas quando me enviaram o convite para ir ver exposição virtual decidi que tinha de partilhar esse convite aqui. E para isso, nada melhor do que inserir uma imagem desse mesmo artista da fotografia.

As fotos da exposição foram tiradas no Alasca, essa região remota, e ilustra como a Natureza varia com o clima ao longo do ano.
Ainda existem locais assim maravilhosos, e pessoas que nos mostram a magia desses locais através da objectiva de uma máquina fotográfica.

 

segunda-feira, maio 03, 2004

Citando os Outros

Quando escrevemos um artigo para o nosso blog, já aconteceu a muitos de nós usarmos material escrito por outras pessoas, seja de livros, de revistas, de artigos em outros blogs, letras de canções ou citações de discurso. Provavelmente também já aconteceu que outras pessoas usem os nossos textos para ilustrar os seus artigos.

As regras básicas nestes casos mandam que seja claro que o texto usado não seja nosso e que se identifique claramente a sua fonte. Mas é claro que corremos sempre o risco que isso não seja feito com o que nós escrevemos publicamente. Pode acontecer por descuido ou com intenção, mas quem aqui anda está sujeito a estas coisas.
Hoje aconteceu comigo, mas curiosamente usaram o texto que escrevi num comentário e não no blog! Nunca me teria ocorrido antes, que pudesse acontecer com um comentário.

Tudo começou num artigo da Para-Pit-Da-Pat sobre a Sensualidade, que eu decidi comentar da seguinte forma:

“O estímulo da sensualidade é a confiança em si mesma que a mulher tem. E diria que mesmo que a pessoa tem, porque os homens também têm a sua.
E a sensualidade torna-se assim um estímulo para o desejo nos outros. Quando a sensualidade e desejo são mútuos então sim é criada uma aura de desejo e cumplicidade
Acho que mesmo os temperamentos excepcionalmente ardentes necessitam de um mínimo de sentimento para se poderem revelar, sem ele não existe entrega e partilha.
E a tal aura erótica que falas pode revelar-se não apenas com uma pessoa, afinal de conta não existem principes ou princesas encantandas, nem o Mr. ou Mrs. Right, existem pessoas com quem nos relacionamos ao longo da vida.
jotakapa | Homepage | 05.01.04 - 11:08 pm | #”

Pois bem, hoje voltei lá e ao ler os novos comentários a este artigo, e decidi ir espreitar os blogs de quem comentou.
Ao seguir um dos comentários fui ter ao blog Quem sabe sou eu (E mais Nada!!!) que tinha um artigo sobre o mesmo assunto, mas quando comecei a ler, achei que o texto me era familiar. Ou seja o texto era quase idêntico ao meu comentário, procurei alguma referência que mostrasse a verdadeira origem do texto... mas não encontrei nada.
O artigo começava assim:

“Sensualidade feminina
O estímulo da sensualidade é a confiança em si mesma que a mulher tem. E diria que mesmo que a pessoa tem, porque os homens também têm a sua.
E a sensualidade torna-se assim um estímulo para o desejo nos outros. Quando a sensualidade e desejo são mútuos então sim é criada uma aura de desejo e cumplicidade
Acho que mesmo os temperamentos excepcionalmente ardentes necessitam de um mínimo de sentimento para se poderem revelar, sem ele não existe entrega e partilha.

daí que qualquer relacionamento só pelo lado libidinoso da questão é horrivel.
E a aura erótica que pode revelar-se apenas com uma pessoa, afinal de conta não existem principes ou princesas encantandas, nem o Mr. ou Mrs. Right, existem pessoas com quem nos relacionamos, parece sempre mais longe do que o que efectivamente está.
é preciso igualmente separar as coisas: sensualidade, beleza e erotismo são coisas mt diferentes.

(...)

# posted by paulo @ Segunda-feira, Maio 03, 2004 | isto está concorrido (2) | Trackback (0)”

O autor do blog continua depois com outras ideias, escrevendo a sua opinião, mas a base de que parte é exactamente o meu comentário do qual desapareceram algumas palavras. O mais caricato da situação é que até os erros de ortografia que eu dei no meu comentário, foram copiados integralmente: “afinal de conta”, “príncipes” e “encantandas” a par da falta de um ponto final no fim de uma das frases.

Fiquei curioso o no mesmo blog, vi outro artigo denominado "descobri alguem com bem senso" que termina com a expressão:

“em http://devaneiospospuberes.blogspot.com, posted by francisco)”

Isto fez-me pensar, que o facto de no artigo sobre Sensualidade não existir referência ao verdadeiro autor das palavras iniciais não foi um acto assumido, mas um esquecimento momentâneo.
Deixei um comentário a pedir ao autor que reponha a verdade da situação, colocando em evidência as partes do texto que não escreveu e fazendo referência ao autor das mesmas, neste caso a mim.

Afinal de contas, não custa nada colocar as palavras dos outros entre aspas, e deixar bem presente que as palavras foram transcritas de outra pessoa. É uma questão de princípios, de respeito e de educação.

Os blogs são para todos os efeitos um meio de publicação de escritos, ideias, pensamentos e opiniões, por isso há que ter sempre o cuidado de citar as fontes que usamos naquilo que se publica nos blogs, para que se evitem injustiças desnecessárias.
Quando transcrevo alguma coisa de um livro, de uma música ou de outro blog, tenho sempre o cuidado de deixar evidente o que não foi escrito por mim e deixar uma referência clara para a origem daquilo que usei. Além disso, quando se trata de um blog, tento sempre avisar o autor do blog original de que usei o texto dele.

Mesmo quando descubro algo interessante num blog e quero partilhar com outras pessoas utilizando o correio electrónico, coloco sempre com o texto transcrito o endereço do blog de onde retirei as palavras.
Além do respeito e da justiça, permite a quem lê ir visitar e descobrir outras coisas escritas pelo mesmo autor.

Esta é a minha perspectiva sobre a forma como devemos usar material que não foi escrito por nós. Cabe a cada um decidir em consciência a imagem que quer dar de si no que respeita à transparência e respeito por aquilo que os outros fazem.

P.S.: o autor do blog, disse que iria corrigi a falha, não sei se da forma que eu acho mais transparente, só ele saberá o que a sua consciência dirá.

 

domingo, maio 02, 2004

Mais Um Pó Tacho - II

Digerido o almoço, assimilada a informação, relembradas as conversas, revendo o almoço de blogs, aqui ficam mais umas palavras sobre o encontro realizado em Gaia.

Ir assim conhecer tanta gente nova de uma vez só, é quase como o primeiro dia de aulas, conhecemos todos e no fundo não conhecemos quase ninguém, só mesmo aqueles com quem tivemos oportunidade de conversar.
Não era pois possível estabelecer uma conversa com cada um dos presentes, conhecer melhor o que está por detrás de cada blog, mas ficaram lançadas pontes para que isso possa acontecer no futuro.

Daqueles com que tive o prazer de conversar mais demoradamente, pude perceber o que move as pessoas neste mundo dos blogs, mas também conhecer melhor a pessoa que existe fora da blogosfera.
É que não tenho dúvidas que existe vida para lá dos blogs!

De uma forma geral, fica a ideia que a blogosfera tem crescido tanto, que a maioria é da opinião que se torna difícil seguir tudo o que de bom se pode encontrar publicado. A outra ideia, é que um dos problemas que quase todos sentimos é a falta de tempo para dedicar ao blog ou o tempo que ele “rouba” a outras vertentes da nossa vida privada.

Para além dos autores dos blogs, participaram no encontro acompanhantes dos autores e também uma leitora atenta de blogs que pediu para estar presente. Foi interessante conhecer o outro lado dos blogs, o de quem lê, comenta e acompanha este fenómeno dos blogs, sem estas pessoas seria também impossível que os blogs tivessem o sucesso que têm hoje.

Foi curioso conhecer as pessoas e tentar associar a sua forma de ser enquanto pessoas, ao que escrevem. Em alguns casos, correspondia bem à ideia que o blog transmite, mas em outros casos surgiram surpresas porque pensava que as pessoas fossem diferentes, quer fisicamente como psicologicamente.

Conhecer o grupo de pessoas que esteve presente, enriqueceu-me, e deu-me ainda mais vontade de arranjar tempo para ir aqui escrevendo para todos os que aqui “aterram”, e que acabam por ler as palavras que vou aqui deixando.

Hoje, olho de modo ligeiramente diferente para os blogs, porque posso associar o que está escrito a uma pessoa que conheci, tenho mais informação ao meu dispor para interpretar o que está escrito. É uma vantagem, que deverei usar para enriquecer aquilo que retenho à medida que vou lendo, tentando que essa informação adicional não me condicione nunca na leitura, como até aqui não me condicionou o facto de não conhecer as pessoas.

Importante mesmo, é aquilo que nós podemos descobrir e assimilar de cada vez que visitámos um blog!

 

Mais Um Pó Tacho

Quem me conhece, sabe que sou reservado.
Esta foi a minha loucura, fui ao almoço de blog!!!

Não me arrependo, afinal foi excelente!
Um local excelente, um ambiente fantástico, comida saborosa, presenças interessante e muita conversa deliciosa e uma organização muito boa!

Foi bom estar lá com os autores dos blogs Hora Absurda, O Blog do Alex , Universos Desfeitos, Palavras Em Férias, Re(Criando), Blete, Angústias De Um Professor, Canto da Sereia, O Bisturi, My Name is Capto, Mente Capto, Food-I-Do, Jack's Blog, Lobices, Um (.) Azul, GandraTruck, Puta De Vida, Blasfémias, Diasdeblog, Paz Na Estrada, Verão Azul, Blogue Do Duque, Loopings, A Rádio Em Portugal, Cidadão Do Mundo, Com Pinga De Sangue, Indústrias Culturais, Para Mim Tanto Faz, Prima Desblog, 100nada (pt), Uns &Outros, Vivendo A Vida, Vistas na Paisagem, Desenhos Animados e Jogos e Letras Com Garfos.

Obrigado a todos por este dia fantástico!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?