<$BlogRSDUrl$>
 

sábado, maio 08, 2004

Os ciúmes

Encontrei hoje nas Horas Negras a seguinte dúvida:

"Não sou nem nunca fui ciumenta.
Será que nunca amei verdadeiramente?"

Será o ciúme uma medida da quantidade de amor? Isto admitindo que o amor é algo mensurável. De qualquer modo, não me parece que a dose de ciúme, ou a sua ausência, possa reflectir a quantidade de amor existente numa relação.

Se o ciúme for excessivo, pode minar a relação por causa de falta de confiança crónica por parte de quem é ciumento. No entanto se o ciúme não existir tanto pode significar que o amor é caracterizado pela confiança como pode significar o desencanto e o desinteresse que a falta de amor acarreta.

Não é um tema fácil, mas quase todos concordam que ciúme em excesso é negativo para a relação, e que o ciúme deve ser mantido num nível tolerável entre as pessoas. O problema é que o tal nível tolerável é algo subjectivo que varia de pessoa para pessoa e pode mesmo mudar ao longa da relação, fruto da história construída e vivida pelos parceiros.

Tal como a crítica, o ciúme pode ser bom para a relação, se for um ciúme construtivo ou positivo, mas sendo um ciúme destrutivo e negativo então vai decerto minar a solidez da relação.
O ciúme construtivo é aquele que não interfere na felicidade conjunta, e serve apenas para que cada um se recorde que as relações estão em constante crescimento e mudança, e que não podem simplesmente cruzar os braços.
O ciúme negativo é aquele que produz uma reacção negativa que fere a confiança da relação em vez de a ajudar a manter em pé!
A inexistência de ciúme é à partida positiva porque revela a confiança no parceiro da relação, é como a inexistência de críticas quando as coisas correm bem. Mas se a sua ausência for devido a desinteresse funciona como a não existência de crítica por as coisas nos serem indiferentes.

Esta é a minha visão hoje, ontem pode ter sido diferente e amanhã não sei qual será. Existem coisas e situações que são distintas quando estamos envolvidos nelas ou não, afinal de contas todos mudámos ao longo da vida, até mesmo nas opiniões!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?