<$BlogRSDUrl$>
 

quinta-feira, maio 27, 2004

Viva o Porto!

E foi no meio de franceses que assisti à vitória do F.C.Porto na Liga dos Campeões frente ao Mónaco. No primeiro golo, tive de me conter para não ser indelicado e especialmente para não provocar os gauleses, mas depois percebi que eles começaram a ficar mentalizados para a superioridade portuguesa, e assim já pude festejar os segundos e terceiros golos.
No fim do jogo, muitos deles já nem sequer estavam interessados no futebol, outros com alguma tristeza falavam da superioridade portuguesa e da má sorte francesa.

O telefone colocou-me em contacto com Portugal, falar português, falar do Porto, saber da festa que invadiu Portugal inteiro. Recebi uma chamada de um colega a perguntar-me se estava na festa portuguesa que estava a decorrer em Paris, pelos vistos os portugueses tinham invadido em festa os Champs-Élysées. A hora já não era propicia para sair e atravessar a cidade, é o problema das grandes capitais europeias que apesar de todos os transportes as distâncias são sempre grandes. Entretanto lá fora ainda me pareceu ouvir dois foguetes e dois ou três carros a buzinar.

Em dois anos seguidos, esta equipa conseguiu ganhar vários títulos e afirmar-se como uma das melhores equipas de futebol do Mundo. Este deveria ser um exemplo para todos nós, portugueses, para nos fazer acreditar que com trabalho, empenho e alegria, podemos atingir metas que outros teoricamente mais bem preparados não conseguem atingir.
Ser grande não significa obrigatoriamente ser eficaz. Os vencedores surgem muitas vezes da simplicidade dos pequenos, da sua flexibilidade, do trabalho de grupo, da atitude certa e da enorme vontade em vencer.

Os sonhos podem ser realizados, há que acreditar e trabalhar para que possam acontecer, com calma, sem ansiedade, com consciência das dificuldades que existem mas não deixando de acreditar.

Parabéns ao F.C.Porto, à equipa que nunca deixou de acreditar nem nunca deixou de trabalhar para atingir o merecido troféu.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?